Clube dos desgostos

quatro mulheres falam de amor e outros contratempos

E seguir em frente, não?

Numa destas tardes aborrecidas,  estive a ver o filme “My best friend’s girl”.


Receita:
1- Mulher acaba relacionamento com homem por qualquer motivo (forte, digamos...)
2 -Mulher conhece o “terrorista do amor” (também conhecido como “grande entendedor da psicologia feminina - nota: este encontro é "armado" pelo ex mas isto também não conta para o caso...) e tem o pior encontro da sua vida!
3 - Mulher chega à conclusão que homens decentes há poucos e então volta para seu ex!

(Sim sim...eu sei que é só um filme... mas inspirou-me a seguinte análise...)

O que há de errado nesta equação? Porque haveria uma mulher moderna e decidida voltar para alguém com quem o relacionamento não estava a funcionar, só pelo único MOTIVO que teve um PÉSSIMO encontro com um homem, digamos, PÉSSIMO no momento??

Será que o pânico da solidão é uma realidade actual? O pânico de “não encontrar mais ninguém?” 
A vida não é maravilhosa e não nos tem tanto para oferecer, como seres independentes e sociais? 
Acho que muitos dos valores de sentimento verdadeiro se perdem no meio de dependência e medos irracionais. Estaremos direccionados para um objectivo comum?
Li algures que “só faz sentido nos comprometermos com sentimentos e não com convenções”.

Mas ... o que é ISTO com o que nos queremos comprometer a toda a força, dia após dia?

 
Dando fim a este à parte...
Ando a tentar compreender-me… Analisar-me. 
O homem “excepcionalmente bonito” (ver último post aqui da Vicky obcecada) tem-me invadido o pensamento vezes sem conta. E sorrio perante essa ideia… Não há definições nem perguntas. Apenas esboços mal desenhados, ilusões talvez… (Pausa: Uma parvoíce...enfim...) 


Mas o passado não é ilusão para mim. E prende-me. Arrasta-me!
Tenho tentado perceber porque é que não consigo responder quando me perguntam “Porque é que acabaste com o teu ex?” 
Porquê? Porquê? Eu tento rever as razões na minha cabeça… Até que as palavras começam a fugir…
Não sei…Não sei… Já não sei. O que nós estávamos a ter… não era o que eu queria para nós. Aquele tipo de vida…não era o tipo de vida que queria para mim. Mas ele! Ele sim! Ele era o homem que eu queria para mim… Todos os dias o olhava como se fosse o primeiro dia… E sabia que o amava. Sabia que sentiria a falta dele. Sabia que o homem que me manteve presa a ele durante tanto tempo não seria facilmente esquecido…


Voltam-me a perguntar e eu respondo: “Não estava a funcionar.” Desisti? Talvez. Mas e ele? No fundo, também não desistiu? Fiquei…decepcionada. Pensei que a minha atitude tivesse outro tipo de impacto nele… Um esforço… Um esforço, por mais pequeno que fosse…
Mas não. Isto foi a contra-resposta dele: “tentar esquecer aqui a INGRATA (eu)” e depois dizer que me ama, que não me consegue esquecer… (mas tentou… saber que tentou esquecer dói… da maneira que tentou... mas quem sou eu para o julgar? A minha história lá com o excepcionalmente bonito não é um bom exemplo...)

(Afinal sou injusta... não?)


Somos livres como pássaros, meu amor… Também não te esqueci! Mas não consigo olhar para mim. Não consigo olhar para ti… Quem somos nós?
“Não está a funcionar…”
Quero seguir em frente…

Vicky

P.S. Já agora, para quem quiser ver o trailer do dito filme aqui vai um link: click

P.S. 2 . Isto foi muito longo. Obrigada a quem teve paciência para ler.




15 comentários:

Incapaz disse...

Claro que temos paciência para ler.
Mas o que escreveste é o cerne da questão - pânico da solidão.

Acho que todos temos disso.
Em relação ao quie fizeste ao teu ex, posso-te dizer que fizeram o mesmo comigo e ainda hoje me questiono porquê. O certo é que essa pessoa depois quis voltar atrás, mas apesar de se gostar ou não, não fui capaz de dar o braço a torcer. E aposto que teria resultado.
Ironias do destino, aconteceu-me 2.ª vez a mesma coisa, mas com outra mulher. Quando quis voltar aceitei-a (sempre a pensar que não dei oportunidade à 1.ª), mas foi o meu maior erro.

Acho que não há relações perfeitas. Sei que da 1.ª vez que acabaram comigo, acabarm porque "as coisas não estavam bem", mas ao invés de se perceber resolveram terminar.
Hoje temos os dois as vidas "arruinadas" por um impulso dela. E mais tarde por teimosia e orgulho meu.

Pensar nos eternos Ses...
Pensar que vamos ficar sozinhos.
Recear tudo isso.
Olha, foram desabafos.

PS-Isto foi muito longo. Obrigada a quem teve paciência para ler.
PS2-Desculpa, mas não resisti ao plágio.

18 de junho de 2009 às 09:09  
Incapaz disse...

Já aprendi que aqui não se pedem desculpas. Escrevemos e lemos porque queremos.
Pois, realmente, se achas que não dá, não sigas em frente. Eu já fiz exactamente o contrário do que te estou a dizer e olha que devia-me ter dado ouvidos na altura, mas lá está o tal do cerne da questão no comentário acima.
Eu confesso que não sou nada ciumento. O que me chateava por vezes era o passado de certas mulheres (isto é, eu desconhecer o passado), não que tivesse nada de mal, atenção. Acho que já superei isso. E sentia-o porque nunca fui muito de loucuras nem de avarias. Talvez o receio da outra pessoa ser o oposto a mim. Será que com o teu ex não se passava o mesmo? Estou a falar de cor, como é óbvio.
Bem, estou-me a alongar e a falar mais de mim do que a tentar ajudar-te ou compreender. Beijoca.
E não te arrependas do que possas fazer ou ter feito. Se o fizeres não vais conseguir lidar contigo muito bem.

18 de junho de 2009 às 09:53  
Bailarina disse...

Como eu te percebo... Uma pessoa desiste e depois, vem sempre um pouco de arrependimento!! Ou ate muito, mas ~já não estão para nos aturar... enfim!!
Bjinho*

18 de junho de 2009 às 13:15  

isto é mesmo complicado as relações :P mas para a frente é que é o caminho!

18 de junho de 2009 às 13:35  
Bruxinha disse...

Ora aqui vim eu parar através do Incapaz, estive a ler, e o teu texto fez-me repensar em tudo..
Afinal estas historias do amor têm tantas partes identicas ..

Quando dizes "...Somos livres como pássaros, meu amor… Também não te esqueci! Mas não consigo olhar para mim. Não consigo olhar para ti… Quem somos nós?
“Não está a funcionar…”
Quero seguir em frente…" é exactamente aquilo que eu penso, quando as duvidas não nos largam, o melhor é seguir em frente

Eu .. dei oportunidade, uma, duas, tres, e mais vezes, pois estavamos também os dois com as vidas arruinadas, ainda assim as coisas não funcionavam, não era aquilo que eu queria para mim :( Apesar dele ser o homem que eu amava ( e amo)
Agora que tomei a decisão de não voltar a aceitar, a vida tem sido um pesadelo, mas esforço.me por conseguir voltar a sorrir, o pior é que ele não desiste, mas só para me magoar :(

Opsss também me fartei de falar ..

Jinhos

18 de junho de 2009 às 15:17  
Ocram disse...

Lindo texto miga...gosteiii..eu sei que é dificil "deixar pra trás" alguém que se gostou mto (ou k ainda se gosta)...mas o caminho é em frente sem dúvida...claro, sem esquecer as aprendizagens do passado. E se não resultou é pk ñ era pra ser... Tens a vida pela frente =) E sabes k tou aqui pra tudo;)

Beijoooo

18 de junho de 2009 às 16:27  
Lois disse...

O medo de estar sosinha assusta.Mais que manter um relacionamento de fachada onde já não se tem felicidade,nem harmonia na bolha de protecção.
Mas mais que isso prefiro lidar com a solidão e conhcer novamente momentos ilusórios,como o que estas a viver com o excepcionalmente bonito.
Si,devemos sair de uma relação consciente que lutamos por tudo;Sim,doi saber que ele segue em frente a uma velocidade francamente melhor que nós..mas sabe tão melhor saberes que acabou,porque nos momentos da tua vida queres viver mais o feliz,em dias,em demasia..e não em pequenas situações que o as vezes te preenche.
Força ai com o E.B e acima de tudo vamos usar e abusar da palavra da semana.Agir.
Para a próxima gostava de saber que também com este tenhas tentado.

19 de junho de 2009 às 03:43  
Lady in red disse...

Gostei desse filme, ri-me imenso, a Kate tá mais gira que nunca...

"A vida não é maravilhosa e não nos tem tanto para oferecer, como seres independentes e sociais? "

Esta é a questão, muitas pessoasmoem relações já desfeitas por medo de ficarem sozinhas, já vi que és de coragem e aprecio! :)

19 de junho de 2009 às 03:59  
Moon disse...

Para mim, parece que você terminou com ele na esperança de que ele corresse atrás de você e provasse que era o homem que você achava que ele era. O homem que lhe manteve na relação. E o homem que TALVEZ ele não fosse. É o que me pareceu através das suas palavras, mas sei que posso estar errada.

Ah sim, as pessoas têm pavor de estarem sozinhas. E assim acabam se relacionando pelos motivos mais errados do mundo. Não é à toa que casais terminem com a frequência com que terminam...

Beijos

19 de junho de 2009 às 11:15  
K-Chan disse...

Sei lá, as vezes o passado nos ensina coisas preciosas, mudamos tanto que voltamos a ser como éramos no inicio... E, por que não, ficar com a pessoa que estávamos no início e fazer um novo começo? XD

19 de junho de 2009 às 13:38  

Tive muitos relacionamentos onde perdi minha personalidade,minha autenticidade,antes que isso aconteça é preferível perder o amor,mas jamais se perder.
Ando muito desacreditada da felicidade,na maioria das vezes ela é tão instantânea.

Adorei flor!
Bjos!

19 de junho de 2009 às 15:24  
Natália disse...

Relacionamentos são muito complicados. Obrigada por comentar. bjbj ;@

20 de junho de 2009 às 07:12  
*Lusinha* disse...

Eu sempre pude dizer que não tenho medo de ficar sozinha. Vi minhas amigas sofrendo por isso, mas eu sempre me dei bem comigo mesma...
E essa saudade, essa vontade de fazer de novo? Ah, acho que é normal quando se está lembrando de uma pessoa que foi boa, que nos fez bem... E que por mais que tenha nos magoadao e não tenha dado certo, os momentos bons estão na memória.
Bjitos!

23 de junho de 2009 às 09:28  

Ainda não vi esse filme, mas tua análise me deu curiosidade para vê-lo. Tenho 17 anos e não tenho medo de ficar sozinha, aliás, vivo dizendo que não quero casar! :) Mas sei que daqui a pouco vou sentir esse sentimento.

Relacionamentos são sempre complicados, mas sempre aprendemos com eles.

25 de junho de 2009 às 04:58  
JoanaRita @ disse...

solidão .. é fodida !
e depois á sempre o medo de n encontrar mais ninguem .

26 de junho de 2009 às 04:09